quarta-feira, novembro 19, 2014

ONDE ANDAM OS HOMENS COM AGÁ MAIÚSCULO?



A vida real não combina com cenas hollywoodescas. Por muito que se espere por aquele primeiro beijo que nos faça parar a respiração e dê início a um romance incandescente, o mais cedo é que o primeiro roçar de lábios costuma ser vacilante, investigativo, diria mesmo decente. Só minutos mais tarde se acende a labareda – se não acender fuja bem depressa, imagine o resto se o beijo não foi bom – ou se percebe o erro. Adiante.


Como não existe um George Clooney (nem um homem como o pai das minhas filhas) para todas contentamo-nos com engenheiros mecânicos, analistas de sistemas, jornalistas, personal trainers. Mais do que um Clooney, o que toda a mulher aspira é alguém que a escute, que faça rir, que a deseje (mesmo quando acorda despenteada), que a respeite e se orgulhe das suas conquistas. Parece simples mas é mais complexo do que a hipótese de Poincaré.


Permitam-me que vos apresente três mulheres, três amigas. São mulheres bem-sucedidas, viajadas, independentes, cultas, com uma carreira sedimentada e muitas histórias para contar. Começo pela S. que viveu na India, no Nepal, no Sri Lanka, de mochila às costas, dando aulas de inglês para se sustentar, como repórter cobriu guerras várias, fala cinco idiomas e tem uma das gargalhadas mais bonitas que conheço. A A., com quem partilhei quarto no Bornéu e na Malásia, é doutorada e curadora de arte, vive no Cairo e em Bagdade, apesar de ser americana e católica. A M. é professora universitária (Stanford diz-vos alguma coisa?), percorreu o interior do Grand Canyon a pé, observou baleias no Alasca, prática ioga e danças africanas. As minhas são muito atraentes, estão início dos quarenta, e vivem sozinhas. Não necessariamente por opção. Todas se lamentam que os homens têm medo de mulheres fortes, que não dançam conforme a música mas que compõem a música com a qual querem dançar.


Conheço muitas mulheres como elas, que têm tudo para fazer um homem feliz ( não precisam de “papás”, nem que lhes paguem as contas, sabem mudar um pneu, são descomplexadas na hora do sexo e sabem preencher os formulários dos impostos, têm a capacidade de se entregar sem reservas ao homem que escolherem). E sabem o que penso? Acho que para um homem aceitar a força e a independência de uma mulher necessita ser verdadeiramente homem e não somente “macho”. Reconhecer e admirar a capacidade de uma mulher, respeitar a sua liberdade – porque afinal ninguém é de ninguém – é de homem com agá maiúsculo, uma espécie cada vez mais rara. Ou estou enganada?


Postagens em destaque

Em entrevista, o Poeta e Compositor santareno Renisson Luis Vasconcelos fala de sua arte e do amor que tem por Nossa Senhora da Conceição

Estamos na semana que antecede o Círio 2017 de Nossa Senhora da Conceição, Padroeira de Santarém.  Uma semana intensa de preparativos ...